Campo Grande,  
Notícias

::2/9 ::

Embrapa disponibiliza teste rápido e barato para neosporose

A Embrapa Gado de Corte (Campo Grande), unidade da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), vinculada ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), disponibiliza um diagnóstico sorológico de neosporose com menor custo e mais rápido. A tecnologia, segundo o pesquisador responsável, Renato Andreotti, é um teste sorológico por meio da reação de imunofluorescência indireta (IFI) para a neosporose.
O pesquisador apresentará o teste no dia nove de setembro, a partir das 9 horas no auditório da área técnica da Embrapa Gado de Corte. O público-alvo é, principalmente, médicos-veterinários e produtores.
A tecnologia, de uso múltiplo para bovinos, ovinos e eqüinos, foi desenvolvida pela Embrapa Gado de Corte, com apoio da Fundação de Apoio ao Desenvolvimento do Ensino, Ciência e Tecnologia do Estado de Mato Grosso do Sul (Fundect - MS) e da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS).
Os antígenos de Neospora caninum para a reação de IFI serão fornecidos para laboratórios do Brasil Central e com possibilidade de atender outras regiões do país.

Neosporose bovina
A importância econômica dessa doença é atribuída principalmente aos custos associados ao aborto, ao valor dos fetos, a inseminação artificial ou a cobertura, a diminuição da produção de leite, ao aumento do descarte e a reposição dos animais.
A neosporose é causada por um parasito chamado Neospora caninum, que tem como hospedeiro o cão, figura comum nas fazendas. As fezes de cães infectados podem contaminar água e alimentos dos bovinos.
Nas vacas contaminadas, o protozoário pode induzir abortos a partir do segundo mês de gestação, afetando o desfrute do rebanho. Existe a suposição que as vacas podem se infectar, também, por meio de ingestão da placenta ou líquidos do aborto contaminados.
Recomenda-se para os produtores como medidas preventivas, a proteção dos alimentos e da água contra a contaminação com fezes de cães e a remoção dos fetos abortados e restos de placenta, evitando dessa forma a infecção por ingestão, tanto pelas vacas quanto pelos cães.
Garantir um bom estado nutricional das vacas prenhes, principalmente no terço final de gestação, ajuda a reduzir os riscos de aborto entre os animais contaminados por esse parasito. Essas são algumas medidas que o produtor pode tomar para prevenir a neosporose bovina.

Redação e imagem
Gisele Rosso (DRT 3091/PR
Embrapa Gado de Corte

[Outras notícias]

 
  © Copyright 2004
Embrapa Gado de Corte.