You need to set up the menu from Wordpress admin.
jul 16, 2014
Josimar Lima do Nascimento
Comentários desativados em Boas Práticas Agropecuárias: fazendas de MS recebem recursos do BNDES

Boas Práticas Agropecuárias: fazendas de MS recebem recursos do BNDES

Boas Práticas Agropecuárias: fazendas de MS recebem recursos do BNDES
O programa Boas Práticas Agropecuárias (BPA), desenvolvido pela Embrapa e por instituições parceiras, é um dos requisitos que facilitam o acesso dos produtores rurais ao Programa de Incentivo à Inovação Tecnológica na Produção Agropecuária (Inovagro), linha de crédito do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). As duas primeiras propriedades rurais do Brasil beneficiadas com os recursos financeiros do Inovagro são de Mato Grosso do Sul.
As fazendas – Cachoeirão, em Bandeirantes, e Boa Esperança, em Anastácio – fazem parte da Associação Sul-mato-grossense dos produtores de Novilho Precoce (Novilho Precoce MS) e possuem o atestado de adequação de Boas Práticas Agropecuárias da Embrapa. A assinatura do contrato para o repasse dos recursos foi realizada na segunda-feira (14), na sede da Novilho Precoce MS, em Campo Grande.
O presidente do Sicredi-MS, Celso Régis, explica que o Inovagro foi elaborado a partir de estudos realizados pelo BNDES visando melhorar o desenvolvimento do setor rural no País. “O BPA, desenvolvido pela Embrapa, veio ao encontro desse programa e as propriedades que adotam as boas práticas podem ter acesso ao crédito, que possibilita a adoção de inovação tecnológica e ambiental”, destaca. O Sicredi é uma das instituições financeiras credenciadas ao programa sendo pioneira, em Mato Grosso do Sul, no repasse do recurso ao produtor que se enquadre nas exigências do BNDES para ter acesso à linha de crédito.
O Inovagro é voltado a produtores rurais, pessoas físicas ou jurídicas, e cooperativas rurais de produção. Com taxas de juros atrativas, o limite de financiamento é de até R$ 1 milhão por cliente, para empreendimento individual, e R$ 3 milhões para empreendimento coletivo. O prazo para pagamento é de até dez anos, com carência de até três anos.
Um dos proprietários da Fazenda Cachoeirão, Nedson Pereira, considera a iniciativa do BNDES como um avanço ao disponibilizar a linha de crédito a pequenos e médios produtores rurais. Ele conta que a expansão de um projeto de integração lavoura-pecuária, iniciado há alguns anos, será o beneficiado pelo Inovagro na propriedade. “O BPA funciona como um manual de instruções sobre como realizar as atividades dentro da fazenda e, ao mesmo tempo, a justificativa para o BNDES investir esse recurso porque estamos fazendo uma produção de forma sustentável e responsável”, diz.
O gestor do projeto Boas Práticas Agropecuárias – Bovino de Corte, pesquisador da Embrapa Gado de Corte, Ezequiel do Valle, vê como grande vantagem dessa iniciativa do BNDES, poder mostrar que o BPA serve como ferramenta para os produtores adequarem suas propriedades para terem acesso ao crédito oferecido pelo banco. “Mato Grosso do Sul é o primeiro a receber esse recurso, o que serve de modelo para todo o Brasil”, destaca.
Ele acrescenta que, através do BPA, é possível obter uma visão do sistema de produção por completo e dos pontos que mais precisam de melhorias. Segundo o pesquisador, a gestão da propriedade rural é um dos itens com necessidade de avanços, além de algumas adequações na parte de produção, visando ao aumento da produtividade e da qualidade do produto final. “Para cumprir esses objetivos, o Senar Mato Grosso do Sul tem sido um grande parceiro da Novilho Precoce MS e da Embrapa, colaborando com a realização de mais de 40 cursos de capacitação dos funcionários dessas fazendas, até o fim deste ano”, informa.
“O BPA auxilia os produtores nas adequações necessárias ao atendimento das demandas do mercado consumidor, preparando-os tanto na parte de produção como nas adequações relativas às questões ambiental e trabalhista”, conclui o médico veterinário e diretor-executivo da Novilho Precoce MS, Klauss Macharetti de Souza, que acompanha a implantação do BPA nas fazendas desde 2012.Ano 10 – nº 1.269

Ano 10 – nº 1.270

assinaturabpa_bndes_novilhoprecoce

 

O programa Boas Práticas Agropecuárias (BPA), desenvolvido pela Embrapa e por instituições parceiras, é um dos requisitos que facilitam o acesso dos produtores rurais ao Programa de Incentivo à Inovação Tecnológica na Produção Agropecuária (Inovagro), linha de crédito do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). As duas primeiras propriedades rurais do Brasil beneficiadas com os recursos financeiros do Inovagro são de Mato Grosso do Sul.

 

As fazendas – Cachoeirão, em Bandeirantes, e Boa Esperança, em Anastácio – fazem parte da Associação Sul-mato-grossense dos produtores de Novilho Precoce (Novilho Precoce MS) e possuem o atestado de adequação de Boas Práticas Agropecuárias da Embrapa. A assinatura do contrato para o repasse dos recursos foi realizada na segunda-feira (14), na sede da Novilho Precoce MS, em Campo Grande.

Continue reading »

jun 24, 2014
Josimar Lima do Nascimento
Comentários desativados em Pesquisadores são homenageados com Moção de Congratulação

Pesquisadores são homenageados com Moção de Congratulação

Ano 10 – nº 1.269

Os pesquisadores Wilson Werner Koller e Renato Andreotti foram homenageados com Moção de Congratulação, apresentada pelo deputado estadual Pedro Kemp, e aprovada em sessão no dia 20 de maio, na Assembleia Legislativa, pela participação como editores técnicos do livro “Carrapatos no Brasil, Biologia, Controle e Doenças Transmitidas”.

De acordo com os pesquisadores, o mérito é pelo conjunto da obra que inclui todos que colaboraram para a produção da mesma, desde autores de capítulos, revisores, arte gráfica e diagramação, apresentador do livro e prefaciador, agenciamento do patrocínio, Editora Embrapa, assim como aos pesquisadores, incluindo iniciação científica e pós-graduação, que durante anos investigaram os parasitas.

Koller destaca que é muito bom ver o trabalho reconhecido diante da sociedade. “Traz uma satisfação indescritível, que permanece e não se dilui no tempo como quando se conquista prêmios em dinheiro. Um olhar introspectivo revela que o que vale mesmo a pena, na vida das pessoas, é serem úteis e produzirem coisas que beneficiam ao semelhante. É claro que, em uma obra de dimensões como a que foi esse livro, houve dezenas de mãos e cabeças somando e, por isso, o reconhecimento e a admiração recaem sobre cada uma delas, de acordo com a dedicação que tiveram”, diz.

Segundo ele, a homenagem é especial por estar “no final da carreira profissional na Empresa”, sendo mais um motivo de satisfação para que ele continue olhando com carinho para a Empresa. “Os colegas que aqui permanecem continuem elevando o seu bom nome e sua missão”, acrescenta.

Andreotti complementa que o livro apresenta o trabalho de um grupo de pesquisadores, com contribuições técnicas, e mostra a tendência da pesquisa com relação ao controle do carrapato, um problema que causa prejuízos econômicos na cadeia produtiva de bovinos em todo o País. “Receber o reconhecimento da sociedade pelo trabalho realizado, sinaliza que a Embrapa está no caminho certo, contribuindo com informações e soluções tecnológicas para o setor produtivo em primeira análise e para a sociedade em geral contribuindo para o aumento da produção de alimentos”, finaliza.

Texto: Kadijah Suleiman

maio 30, 2014
Josimar Lima do Nascimento
Comentários desativados em A Norma saindo do papel

A Norma saindo do papel

Ano 10 – nº 1.268

 

img_1511

A Norma Regulamentadora 31, publicada em 2005 e alterada em 2011, aborda conceitos sobre segurança e saúde a serem observados pelas instituições e empregados nos ambientes de trabalho com atividades relacionadas à agricultura, pecuária, silvicultura, exploração florestal e aquicultura.

 

Nos 23 itens e subitens, a NR 31 traz para o binômio empregador-empregado explanações, exigências e medidas sobre as Comissões Permanentes de Segurança e Saúde no Trabalho Rural, agrotóxicos, meio ambiente e resíduos, ergonomia, ferramentas manuais, segurança em máquinas e implementos agrícolas, secadores, silos, acessos e vias de circulação, transporte de trabalhadores e cargas, trabalho com animais, fatores climáticos e topográficos, medidas de proteção pessoal, edificações rurais, instalações e áreas de vivência.

 

Continue reading »

maio 21, 2014
Josimar Lima do Nascimento
Comentários desativados em Entrega de obras nos 37 anos de Gado de Corte

Entrega de obras nos 37 anos de Gado de Corte

???
Em 2008, o Governo Federal lançou o Programa de Fortalecimento e Crescimento da Embrapa (PAC Embrapa) com o objetivo de equilibrar a missão e dimensão da Empresa com sua capacidade de atuação. As ações do Programa envolviam investimentos nas áreas de agroenergia, fronteira do conhecimento, inovação institucional e governança, recuperação da capacidade operativa das Organizações de Pesquisa Agrícola (OEPAS), revitalização e modernização da infraestrutura física e intelectual da organização, dentre outras. Entre 2008 e 2010, as Unidades pelo país empenharam-se em estruturar uma gestão capaz de encarar os novos desafios tecnológicos da agricultura mundial.
O PAC Embrapa foi concluído. O montante, destinado ao Programa na ordem de R$ 1 bilhão de reais para os três anos, foi incorporado ao orçamento da Empresa e os Centros de Pesquisa se transformaram, resolveram urgências, recriaram mecanismos e atualizaram estruturas, é o caso da Embrapa Gado de Corte. Na última semana, a Unidade inaugurou e apresentou aos seus colaboradores um conjunto de obras com o intuito de melhorar o dia-a-dia de seus clientes internos e externos. O momento celebrou também os 37 anos do Centro, completados no final de abril.
Para esse aniversário foram entregues as reformas das instalações do apoio operacional – Campos Experimentais, Produção Animal, Patrimônio, Máquinas e Veículos e Infraestrutura; dos laboratórios de Sanidade Animal e do restaurante; e a finalização da passarela coberta que liga administração-restaurante-apoio, uma reivindicação antiga dos empregados, e da rede de esgoto e abastecimento de água. Os recursos de, aproximadamente, R$ 5, 6 milhões deram andamento a “mais uma etapa do plano de recuperação e modernização da infraestrutura da Unidade, que contou com recursos do PAC Embrapa”, afirma a chefe-adjunta de administração, Lúcia Gatto.
O plano, conforme a gestora, ainda não está fechado. Em execução estão a reconstrução de cinco imóveis residenciais funcionais na Sede e seis na Fazenda Modelo, em Terenos-MS; a construção de refeitório/vestiário para os funcionários terceirizados; a conclusão do Gerecamp; a reforma no Laboratório de Biologia Molecular; e a construção dos Laboratórios NB2, NBA2 e NB3. Tudo acompanhado pelo engenheiro da Empresa, Marcos Rafael de Moura Xavier, com suporte do assistente Geziel Nogueira de Souza. “As obras foram executadas com o propósito de recuperar as boas condições de trabalho dos empregados e, com isso, proporcionar melhorias na qualidade de vida e no clima organizacional, contribuir para a segurança e saúde dos mesmos, além de alinhar a Unidade com as leis e responsabilidades ambientais, bem como, de gestão dos recursos pela conservação do patrimônio público”, acentua.
Responsável pelos investimentos da diretoria-executiva de Administração e Finanças, Emerson De Stefani, acompanhou as mudanças em Campo Grande-MS e participou do ato de entrega. Ele conta que cada Centro aproveitou os recursos e as oportunidades de acordo com suas prioridades e necessidades e recorda que “quando os recursos do PAC entraram, viram que eram elevados, mas os problemas também. Tivemos avanços notáveis e há Unidades que precisam de mais atenção e temos que dar continuidade a esse investimento e buscar homogeneidade entre as Unidades”.
“A Embrapa mostra um Brasil possível, mesmo com altos e baixos”, é assim que De Stefani endossa Gatto reforçando que “processos sozinhos não funcionam, precisam de pessoas. Todo resultado alcançado pela Embrapa carrega um pouco do trabalho de cada empregado em sua atividade diária e isso mostra como podemos ajudar o país a melhorar. Como a sociedade nos vê? Os resultados do setor agrícola contribuem, e muito, para o país. Pensemos nisso em nossas ações”.
Pelos campos – A área operacional nos últimos anos mudou seu perfil. O Setor de Campos Experimentais conta com 30 colaboradores. O bloco foi reformado, com salas para os gestores, técnicos agrícolas, assistentes de campo e terceirizados. O destaque ficou na sala da equipe que com o Programa de Inclusão Digital instalou computadores para uso coletivo, com acesso a correio eletrônico e demais informações disponíveis na rede. “A grupo recebeu treinamento e hoje o que se vê é uma turma mais informada, eles procuram nos intervalos pelo computador”, observa o supervisor da área, José Carlos Peixoto de Miranda. Para o ideal, ele acredita que faltam itens, como “divisórias em alguns pontos, mais sanitários e um espaço para as mulheres”. Hoje, no apoio operacional, há 15 mulheres circulando, entre empregadas e colaboradoras, diariamente. Para Valdir de Oliveira Acosta o perfeito seria uma sala de convivência, pois “espaço e projeto já há. Nossa expectativa é distrairmos no intervalo do almoço”.
As reformas do prédio do almoxarifado e dos depósitos para alimentos dos animais e materiais para manutenção de bens móveis e imóveis permitiram condições satisfatórias de armazenagem, controle e organização, facilitando “o trabalho do almoxarife tanto na armazenagem dos materiais quanto no atendimento aos usuários”, comenta Evanir Pavão Amaral, gestora de Patrimônio e Suprimentos. Há dez anos almoxarife da Gado de Corte, Antônio Carlos Félix Barbosa, ressalta que a “nova estrutura trouxe mais conforto. Talvez quem esteja fora não perceba, mas quem trabalha sente a diferença ao final do dia”.
Os operadores de Máquinas e Veículos antes contavam com 12 tratores, atualmente, 22 operam e oito são cabinados com condicionadores de ar. Os implementos tiveram reforços, com equipamentos de precisão. De acordo com Gilson Picinin da Silva, também houve reformas na garagem dos veículos, 53 no total, oficina e sala de transportes. Há 24 anos motorista da Embrapa, Américo Batista, nota um “impacto positivo em tantas mudanças, principalmente, por que mudou o sistema de trabalho, reduziu um pouco a burocracia. A renovação da frota e das ferramentas avançou, trouxe conforto e segurança a todos”.
João Marques de Oliveira e Rosana Teresinha Santin de Almeida atuam no Setor de Gestão de Infraestrutura. Ele diretamente nas obras e ela é responsável pelo arquivo. Marques menciona os reparos feitos na carpintaria e salienta “as salas com computadores. Falta pouco para o ideal”. Rosana ratifica e aponta a modernidade do arquivo como um diferencial. Em 2012, a Unidade adquiriu um sistema de arquivos deslizantes, com capacidade total para 2.352 caixas.
A diretoria-executiva apresentou, em 2012, dez Projetos Especiais que integram o primeiro ciclo do Plano Gerencial da Presidência da Empresa, entre eles, o “Fortalecimento da infraestrutura de campos experimentais e laboratórios”. Essas transformações na Embrapa Gado de Corte começaram com o PAC Embrapa e permaneceram dentro desse Projeto Especial, explica Emerson De Stefani. “É uma ação corporativa de automação e mecanização de nossos campos. Primeiro recuperamos passivo, agora não basta somente trocar. Propostas conjuntas nivelam as Unidades e é de extrema importância o planejamento, o diagnóstico da situação, olhando o futuro. Construir hoje para resultar daqui alguns anos”.
Futuro – Para 2014, segundo Lúcia Gatto, estão em fase de elaboração os editais para a construção do bloco de pesquisadores dá área vegetal e do anel de redundância para a rede de comunicação e a conclusão da reforma do laboratório de microbiologia de solos e biotecnologia vegetal. Ela ainda assinala que a estrutura de Tecnologia da Informação recebeu investimentos com a aquisição de servidores, instalação de cabeamento estruturado e fibra ótica e equipamentos.
Os laboratórios, segue a chefe-adjunta, receberam “modernos instrumentos laboratoriais, de balanças a termocicladores e purificadores de água. Esse resumo de investimentos executados e em execução é antes de tudo um conjunto de ações com o propósito de melhorar o ambiente de trabalho e proporcionar integração e interação entre os agentes responsáveis pelo cumprimento da missão da Unidade. Antes uma remonta do Exército Brasileiro, conhecida como Coudelaria, hoje Embrapa Gado de Corte, construída ao longo de 37 anos”.

Ano 10 – nº 1.267

dsc_1315

Em 2008, o Governo Federal lançou o Programa de Fortalecimento e Crescimento da Embrapa (PAC Embrapa) com o objetivo de equilibrar a missão e dimensão da Empresa com sua capacidade de atuação. As ações do Programa envolviam investimentos nas áreas de agroenergia, fronteira do conhecimento, inovação institucional e governança, recuperação da capacidade operativa das Organizações de Pesquisa Agrícola (OEPAS), revitalização e modernização da infraestrutura física e intelectual da organização, dentre outras. Entre 2008 e 2010, as Unidades pelo país empenharam-se em estruturar uma gestão capaz de encarar os novos desafios tecnológicos da agricultura mundial.

 

O PAC Embrapa foi concluído. O montante, destinado ao Programa na ordem de R$ 1 bilhão de reais para os três anos, foi incorporado ao orçamento da Empresa e os Centros de Pesquisa se transformaram, resolveram urgências, recriaram mecanismos e atualizaram estruturas, é o caso da Embrapa Gado de Corte. Na última semana, a Unidade inaugurou e apresentou aos seus colaboradores um conjunto de obras com o intuito de melhorar o dia-a-dia de seus clientes internos e externos. O momento celebrou também os 37 anos do Centro, completados no final de abril.

 

Continue reading »

Páginas:«1...891011121314...131»

Anos anteriores